Capim-braquiária

Brachiaria decumbens
O capim-braquiária, Braquiaria decumbens (sinonímia Urochloa decumbens), é uma importante forrageira para muitas regiões do Brasil.  Destaca-se por apresentar excelente adaptação a solos ácidos e de baixa fertilidade e fácil estabelecimento.
Baixar ficha técnica

CARACTERÍSTICAS

 

O capim-braquiária é uma planta perene, com 60-100 cm de altura, sub-ereta, robusta, geniculada em alguns dos nós inferiores e pouco radicante.

 

Apresenta também propagação vegetativa através de rizomas e estolões, conferindo um grande poder de disseminação, uma vez que a planta-mãe é capaz de gerar dezenas de outras plantas.

 

O capim-braquiária vem se tornando uma planta de difícil controle nos campos agrícolas, principalmente onde foi utilizada inicialmente como forrageira, em virtude da sua capacidade de disseminação e agressividade.

 

CICLO REPRODUTIVO

 

O ciclo de vida do capim-braquiária compreende as fases vegetativa, de alongamento de colmos e reprodutiva.

 

DANOS À LAVOURA

 

A presença do capim-braquiária pode interferir no processo produtivo, principalmente das culturas de cana-de-açúcar, milho, arroz, café, soja, algodão e citros, competindo pelos recursos do meio, principalmente água, luz e nutrientes, liberando substâncias alelopáticas e atuando como hospedeiro de pragas e doenças. 

 

CONTROLE E MANEJO

 

O capim-braquiária pode ser eliminado por controle preventivo, cultural e químico. Estes controles apresentam vantagens e limitações e demandam o uso simultâneo de, no mínimo, duas práticas complementares. O controle químico é o mais utilizado em canaviais em função da praticidade, alta eficiência, baixo custo e rapidez, tendo em vista a grande extensão das áreas de cultivo.

 

IMPACTOS NA SOCIEDADE

 

O capim-braquiária, na condição de planta daninha, pode trazer muitos prejuízos para a agricultura, por encarecer as práticas culturais, reduzir o valor da terra, reduzir a biodiversidade, dificultar o manejo da água e também interferir na operação de colheita.

 

Fonte: EMBRAPA

 

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio