Bicho-mineiro-do-café

Leucoptera coffeella
O bicho-mineiro, nome popular dado ao inseto Leucoptera coffeella, da família das  mariposas, é considerado uma das pragas mais importantes do cafeeiro, devido ao grave  dano que a sua larva causa às plantações.
Baixar ficha técnica

CARACTERÍSTICAS

 

O adulto do bicho-mineiro é uma mariposa que apresenta, em média, 2 mm de comprimento  e 6,5 mm de envergadura; cabeça com escamas brancas; antenas longas e filiformes, que  atingem a extremidade do abdômen; peito branco-prateado; asas franjadas, de coloração  branco-prateado com manchas circulares pretas, circundadas de amarelo, localizadas uma  em cada ponta das asas anteriores; e pernas cobertas com cerdas brancas.

 

CICLO REPRODUTIVO

 

O ciclo de vida do bicho-mineiro inclui as etapas de ovo, larva, pupa e adulto alado. Considerando uma temperatura de 25 °C, a fase do ovo geralmente dura cerca de cinco  dias, a fase de larva doze dias e a de pupa cinco dias, completando 22 dias até chegar à  idade adulta. 

 

DANOS À LAVOURA

 

Os danos são causados pela larva ao se alimentar da folha. Uma única larva pode consumir  entre 1,0 e 2,0 cm² de área foliar durante seu desenvolvimento e causar necrose de mais de  80% das folhas quando várias minas se juntam. A alta incidência pode causar desfolha mento da planta, o que está diretamente relacionado à intensidade do ataque e ao período  em que ocorre.

 

CONTROLE E MANEJO

 

O controle do bicho-mineiro deve contemplar um conjunto integrado de práticas que  envolvem: monitoramento constante e eficiente do cafezal, controle cultural, controle biológico, controle por comportamento e controle químico com inseticidas seletivos.

 

IMPACTOS NA SOCIEDADE

 

O bicho-mineiro é uma grave ameaça às lavouras de café, podendo acarretar perdas entre 30 a 70% da produção, comprometer a qualidade e a produção dos  grãos e causar impacto negativo na cadeia produtiva do café.

 

Fonte: Embrapa

 

Culturas que atinge

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio