Manejo de gramíneas e folhas largas na cana-de-açúcar: como fazer de forma seletiva?

26/11/2021
Cultura • Cana-de-Açúcar

Manejo de gramíneas e folhas largas na cana-de-açúcar: como fazer de forma seletiva?

 

A ocorrência de plantas daninhas na cultura de cana-de-açúcar é um dos grandes causadores de perdas na produtividade, principalmente quando não controladas adequadamente.

 

 

Quanto maior o tempo de convivência das daninhas com a cana, maior será seu impacto, com prejuízos que podem chegar a 85% sobre as soqueiras e até 100% sobre cana-planta.

 

 

Para reduzir as perdas ao máximo, dar prioridade a um controle ininterrupto das daninhas na cana-de-açúcar é essencial, seja na pré ou na pós-emergência. Isso exige o devido conhecimento das gramíneas e das folhas largas, que competem por nutrientes, água e luz com a cultura da cana.

 

 

É também importante conhecer as estratégias para garantir um manejo seletivo das daninhas no canavial, sendo o controle químico a mais eficiente delas.

 

 

Plantas daninhas em cana-de-açúcar: inúmeras espécies exigem cuidados

 

 

No cultivo da cana-de-açúcar, inúmeras são as espécies de daninhas que se estabelecem e podem comprometer a produtividade. Elas são caraterizadas pelas gramíneas:

  • Capim-braquiária
  • Capim-colchão
  • Capim-colonião

e pelas folhas largas:

  • Mamona
  • Mucuna-preta
  • Corda-de-viola

 

Com elevado grau de adaptação e alta produção de sementes, as gramíneas têm a capacidade de germinar, desenvolver-se e proliferar em diferentes condições de clima e solo.

 

 

Também presentes nos canaviais, algumas daninhas de folhas largas, conhecidas como cordas, conseguem subir na cana e ao se desenvolverem, dificultam o crescimento da cultura. Também podem comprometer a colheita, resultando em danos mecânicos às máquinas e exigindo mais tempo neste processo.

 

 

Assim, para evitar prejuízos mais sérios, a adoção de herbicidas torna-se fundamental, porém é preciso considerar alguns fatores técnicos e agronômicos, o que permite a elaboração de tratamentos mais adequados a cada situação. Com isso, o produtor terá altos níveis de performance em relação a eficácia e seletividade.

 

 

Por que utilizar um herbicida seletivo no canavial?

 

 

Segundo especialistas, a seletividade dos herbicidas é a base para o sucesso do controle químico de plantas daninhas, seja na cana-de-açúcar ou em outra cultura de interesse.

 

 

A base da seletividade aos herbicidas é o nível diferencial de tolerância das plantas daninhas a serem controladas, ou seja, quanto maior a diferença de tolerância entre a cultura e a planta daninha, maior será a segurança de aplicação.

 

 

Assim, cabe ao herbicida seletivo a função de eliminar as espécies daninhas do canavial enquanto a cultura da cana permanece vegetando, sem injúrias. Porém, a seletividade não é um processo tão simples, uma vez que, muitos fatores da planta e do ambiente estão envolvidos na definição do melhor herbicida a ser utilizado.

 

 

Por isso, dispor do melhor herbicida que tenha sido amplamente testado é essencial para combater daninhas em lavouras de cana-de-açúcar. Para essa necessidade, a IHARA oferece aos produtores de cana-de-açúcar dois herbicidas de excelente qualidade com foco no melhor manejo de gramíneas e folhas largas: Falcon e Ritmo.

 

 

Herbicidas IHARA: Máximo potencial no combate das daninhas na cana

 

 

Longo residual, alta seletividade e controle eficaz no cultivo da cana-de-açúcar. Essas são as principais qualificações de dois herbicidas da IHARA, com grande eficiência no controle das principais plantas daninhas em canaviais.

 

 

O Falcon é uma excelente ferramenta para ser aplicada ainda na pré-emergência das daninhas, em época úmida. Ele é desenhado especialmente para a cultura da cana, com capacidade de oferecer amplo espectro de controle para gramíneas, sem prejudicar o canavial.

Já o Ritmo é focado nas soqueiras em período seco, apresentando para isso uma formulação de rápida absorção. Este é um produto desenvolvido principalmente no combate a infestações de daninhas de folhas largas em canaviais, como corda-de-viola, mamona, mucuna e o capim-braquiária.

 

 

Com portfólio variado, a IHARA prova que está sempre atenta aos principais desafios dos canaviais, oferecendo produtos com grande eficácia para que a lavoura não sofra com os efeitos da infestação por daninhas. Além de estar cada vez mais próxima das usinas e produtores de cana, conhecendo de perto seus desafios e necessidades e oferecendo as melhores soluções.

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio