Corda-de-viola

Ipomoea grandifolia
A corda-de-viola, Ipomoea grandifolia ou Ipomea triloba ou Ipomoea aristolochiaefolia, se destaca como uma das plantas daninhas mais problemáticas em lavouras agrícolas no Brasil.
Baixar ficha técnica

CARACTERÍSTICAS

 

É uma planta de ciclo anual, trepadeira, cujos caules podem atingir 3 m. Floresce e frutifica o ano todo, mais intensamente de novembro a março. Apresentam grande quantidade de reserva e conseguem emergir sob a camada de palhada, o que permite à planta se desenvolver em sistema plantio direto. Apresenta crescimento muito rápido e são bastante adaptáveis aos diferentes solos e graus de fertilidade.

 

CICLO REPRODUTIVO

 

Essa espécie tem propagação via sementes, com germinação no fim do inverno e ciclo até a maturação de 150-180 dias, podendo ser reduzido para 120 dias se a germinação ocorrer no verão. A partir da germinação das sementes há formação de raízes e caules, produção de flores e frutos e, com a produção de sementes, o ciclo se reinicia.

 

DANOS À LAVOURA

 

A corda-de-viola prejudica a cana-de-açúcar em todas as fases do seu ciclo de vida, mas na fase inicial compete principalmente pelos recursos indispensáveis ao desenvolvimento das plantas (água, luz e nutrientes), especialmente a extração de nutrientes. É uma planta altamente extratora de macronutrientes. A extração desses nutrientes implica na redução da produtividade da cultura, uma vez que o potássio (K) é o nutriente exportado em maior quantidade pela cana-de-açúcar.

 

CONTROLE E MANEJO

 

Considerando que a corda-de-viola é uma espécie anual, é importante que o controle seja feito antes da produção de sementes, evitando, assim, a disseminação da espécie. O manejo químico tem sido o mais eficaz no controle das convolvuláceas em cana-de-açúcar. Em canaviais com elevada infestação, podem ser necessárias até duas aplicações com herbicidas: a primeira, logo após a colheita ou o plantio, e a segunda, aproximadamente
90 dias após, antes do fechamento do canavial.

 

IMPACTOS NA SOCIEDADE

 

Ela diminui a produtividade nas áreas infestadas e atrapalha a colheita mecanizada. Os níveis de produtividade de um canavial com forte presença de corda-de-viola podem registrar queda de até 46%.

 

Fonte: Embrapa. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento

 

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio