Saiba como controlar o ácaro-da-leprose no seu cafeeiro

14/09/2020
Cultura • Café
No café, o ácaro-da-leprose causa depreciação dos frutos, queda prematura das folhas e frutos, seca de ramos e redução da vida útil da planta.

 

A ocorrência de doenças que reduzem a produtividade vem sendo motivo de muita preocupação em lavouras de café. Esses problemas acometem diferentes partes das plantas e chamam a atenção pela dificuldade de sua caracterização e potencial de causar perdas intensas.

 

A doença conhecida como leprose do cafeeiro se destaca como um dos principais problemas. Essa doença vem rapidamente evoluindo nas diferentes regiões cafeeiras do país.

 

Diretamente atrelada a essa doença, está a incidência do ácaro da leprose, vetor da leprose do cafeeiro. Por essa razão, é preciso que o cafeicultor conheça os principais sintomas e danos decorrentes da ação do ácaro da leprose, e também entender as estratégias para um controle mais eficiente desse artrópode.

 

Leprose do cafeeiro: maior gravidade que a mancha-anular

 

Por muito tempo, a mancha-anular era uma das doenças mais recorrentes em cafezais. Ela é causada por um vírus, cuja transmissão principal ocorre através de um ácaro. O principal sintoma é a presença de anéis cloróticos ou zonas amareladas irregulares ao longo das nervuras e em baixo relevo.

 

A partir de 1991/1992, com crescente incidência de ácaros nos cafezais, foi relatada uma nova sintomatologia, que apresentava maior severidade que a mancha-anular. Trata-se da leprose do cafeeiro, cujo vetor é o ácaro Brevipalpus phoenicis, vulgarmente chamado de ácaro-da-leprose.

 

No café, o ácaro-da-leprose causa depreciação dos frutos, queda prematura das folhas e frutos, seca de ramos e redução da vida útil da planta de modo considerável. Também é responsável por prejudicar a produtividade, devido aos danos causados à estrutura da planta.

 

Ataques mais severos desse ácaro são também frequentemente reportados em períodos de estiagem e com altas temperaturas (pois intensificam a incidência populacional da praga) e uso inadequado e excessivo de acaricidas, gerando a eliminação de inimigos naturais e contribuindo para a ressurgência populacional do ácaro.

 

Sintomas da leprose: lesões em frutos e folhas

 

A leprose do cafeeiro é uma doença que tem se tornado importante nas regiões e, em anos mais secos e quentes, seus sintomas aparecem principalmente nos frutos verdes, na granação e nas folhas.

 

As lesões nos frutos são irregulares e deprimidas, de cor inicialmente marrom bem claro (cor de ferrugem) e depois chegam a quase negras, em função de ataques de fungos sobre a lesão (Colletorichum etc).

 

Em períodos úmidos, podem apresentar uma massa de esporos (brancos) de fungos saprófitas e lesões amareladas nos frutos maduros.

 

Já nas folhas, as lesões se apresentam de duas formas. Podem ocorrer algumas pequenas lesões como pontos amarelados e/ou lesões na forma de anéis amarelados e manchas irregulares acompanhando as nervuras, associadas a necroses claras que aparecem na face inferior das folhas, junto às lesões, sobre a nervura principal.

 

Esse tipo de lesão acelera a desfolha, bastante significativa nas plantas mais atacadas pelos ácaros. O processo de desfolha ocorre de dentro para fora no pé de café. Os ramos finos também apresentam lesões.

 

Diante dessas lesões, os danos mais recorrentes da ação do ácaro da leprose são:

 

  • Severa desfolha, reduzindo a fotossíntese das plantas, o que acarreta a queda de produtividade do cafeeiro;
  • Queda acentuada de frutos, acarretando aumento do café de varrição.

 

Também vale destacar que as lesões decorrentes do ácaro podem servir como porta de entrada de microrganismos capazes de afetar a qualidade do café, como os fungos Fusarium spp., Penicillium spp. e Aspergillus spp.

 

Por isso, é extremamente importante ficar muito atento aos sintomas da leprose. Somente assim será possível realizar o controle adequado deste ácaro.

 

O controle deve ocorrer em todas as fases de desenvolvimento do ácaro-da-leprose

 

Recomenda-se o monitoramento dos talhões de café, e caso seja detectado a presença dos ácaros, recomenda-se realizar um eficiente controle do ácaro, que pode ser feito através da utilização de variados acaricidas registrados para a cultura. Sugere-se utilizar produtos que sejam capazes de agir sobre todas as fases do ácaro, ou seja, ovos, larvas, ninfas e adultos).

 

Para melhor controle, o cafeicultor já tem a sua disposição um dos melhores acaricidas do mercado, com ações sobre todas as fases de desenvolvimento do ácaro. Este acaricida tem um mecanismo de ação inovadora e exclusiva que atua na inibição da cadeia de transporte de elétrons no Complexo 2, sendo esse seu principal diferencial, tornando-o ideal para o manejo de resistência.

 

O produto confere ainda rápida ação de choque sobre ácaros, eliminando as pragas por contato e rapidamente baixando sua população na área. Também possui efeito residual prolongado e amplo espectro de ação.

 

Por fim, esse produto possui ação seletiva, portanto não afeta insetos benéficos ou ácaros predadores, capazes de favorecer a cultura. Trazendo assim ainda mais segurança para um bom controle, com maior residual que outros acaricidas.

 

Quer receber mais conteúdos sobre café? Cadastre-se!

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio