Conheça a nova tecnologia para controle de daninhas na cana-de-açúcar

21/12/2020
Cultura • Cana-de-Açúcar
A ocorrência de plantas daninhas na cultura de cana-de-açúcar é um problema que pode provocar sérias perdas na produtividade do canavial

 

O Brasil é um dos maiores produtores de cana-de-açúcar em todo o mundo. Prova disso é a 1ª estimativa da Datagro, divulgada durante a 20ª Conferência Internacional sobre Açúcar e Etanol. A projeção indica que a safra 2021/22 de cana-de-açúcar do Brasil deve chegar a 630 milhões de toneladas.

 

Porém, a ocorrência de plantas daninhas na cultura de cana-de-açúcar é um problema que pode provocar sérias perdas na produtividade do canavial, principalmente quando não controladas adequadamente.

 

Para evitar maiores problemas, iniciar o controle ainda na pré-emergência de plantas daninhas representa uma estratégia de manejo bastante vantajosa. Para isso, há a necessidade de utilizar um herbicida eficiente, flexível e que apresente amplo espectro de controle.

 

Plantas daninhas na cana-de-açúcar: a fase inicial de crescimento é um problema

 

A cana-de-açúcar, mesmo usando de maneira altamente eficiente (fisiologia C4) os recursos disponíveis para o seu crescimento, costuma ser bastante afetada pelas plantas daninhas nas fases iniciais de desenvolvimento.

 

Isso ocorre porque muitas das principais daninhas também utilizam os recursos disponíveis de forma eficiente, devido ao fato de elas também apresentarem fisiologia C4.

 

Dessa forma, o cultivo realizado em clima tropical e nas condições ambientais do Brasil (temperaturas elevadas e a falta de chuvas) tornam o controle de plantas daninhas ainda mais necessário.

 

Quando esse controle é realizado na pré-emergência, a eficiência tende a ser ainda maior, pois ajuda a evitar a proliferação de plantas daninhas, facilitando ações de manejo por parte do produtor.

 

Por essa razão, os produtos herbicidas pré-emergentes e com maior efeito residual são essenciais, pois controlam as sementes das daninhas desde a germinação, proporcionando condições mais favoráveis ao desenvolvimento a partir do início do ciclo da cultura.

 

Herbicidas pré-emergentes: grandes aliados da produtividade do canavial

 

A matocompetição é um problema que rapidamente cresceu no setor sucroenergético brasileiro nos últimos anos. Isso aconteceu pois, por muitos anos, o produtor não tinha uma solução que fosse, de fato, efetiva para o controle das daninhas.

 

Dessa forma, em um contexto em que produtores de cana-de-açúcar precisam dispor de tecnologias que entreguem proteção, rentabilidade e máxima produtividade ao canavial, o uso de herbicidas pré-emergentes torna-se uma das melhores estratégias, com ampla eficácia de controle.

 

Tal estratégia tem fundamento pois, mesmo que a falta de chuvas retarde a emergências de plantas daninhas, não significa que suas sementes já não estejam no solo esperando o mínimo de umidade para germinar.

 

Assim, realizar o controle prematuro de daninhas, com um herbicida pré-emergente de longo residual e alta eficiência, é fator essencial e ajuda o produtor a ter um melhor manejo de sua lavoura.

 

O uso de uma nova tecnologia totalmente inovadora permite que o produtor tenha um amplo controle de daninhas de folhas largas e estreitas, assegurando seletividade e segurança no período úmido, que funciona como o responsável pelo rápido crescimento das daninhas.

 

Nova tecnologia de controle: amplo espectro sem prejudicar o canavial

 

O surgimento de um novo produto dá a certeza de que o setor continue prosperando, seja pela proteção mais efetiva do canavial ou pela melhoria do manejo de resistência de daninhas.

 

Revolucionário para o combate contra plantas daninhas resistentes, esse produto oferece uma inovadora tecnologia de controle de plantas daninhas em pré-emergência, que se destaca pelo longo residual, alta seletividade e controle das principais plantas daninhas resistentes no Brasil.

 

Seu modo de ação é bem simples: quando a planta daninha começa a germinar, a semente de absorve água no solo, essencial para o desenvolvimento, de caule e a raiz por exemplo. Para isso, ela irá precisar também de ácidos graxos. Será exatamente nessa etapa que o herbicida age.

 

Assim, esta nova tecnologia atua na inibição de ácidos graxos, necessários para a formação e manutenção de estruturas como a membrana celular.

 

Com a agilidade deste inovador herbicida, todo produtor consegue manter seu canavial no limpo, contribuindo com a manutenção de maiores ganhos em produtividade e rentabilidade sempre elevada.

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio