Antracnose

Colletotrichum truncatum
Dentre as doenças fúngicas que acometem a cultura da soja a antracnose é uma das mais importantes. O agente causal, em sua fase anamórfica (reprodução assexual), é denominado Colletotrichum truncatum, também conhecido como Vermicularia truncata e Colletotrichum dematium var. truncata. Já em sua fase teleomórfica (reprodução sexual), o fungo é classificado como Glomerella truncata. A partir de 2014, o Colletotrichum cliviae também foi relatado como causador da antracnose em soja.
Baixar ficha técnica

CARACTERÍSTICAS

 

O fungo caracteriza-se por apresentar duas fases: anamórfica (reprodução assexual) e telemórfica (reprodução sexual). Na fase anamórfica a frutificação do fungo sobre os tecidos infectados é do tipo acérvulo, dotados de inúmeras setas pigmentadas e septadas que medem de 30 a 200 μm de comprimento por 4 a 6 μm de largura.

 

CICLO REPRODUTIVO

 

O ciclo da doença se inicia com a infecção, onde as hifas penetram diretamente nos tecidos da semente, haste e pecíolo. O principal meio de transmissão e sobrevivência é a semente, entretanto, o patógeno sobrevive como saprófita em restos culturais ou em hospedeiros alternativos.

 

DANOS À LAVOURA

 

A antracnose afeta a soja em praticamente todos os estádios de desenvolvimento da cultura e em toda a parte aérea das plantas. Quando a infecção ocorre na fase de desenvolvimento das vagens, estas adquirem coloração castanho-escura ou negra, ficam retorcidas e sem grãos. Se o ataque ocorrer na fase de enchimento das vagens, a vagem se rompe e os grãos ficam expostos, podendo cair no solo.

 

CONTROLE E MANEJO

 

O controle e o manejo da antracnose baseiam-se, essencialmente, na eliminação/redução das fontes de inóculo, ou seja, de sementes infectadas, restos culturais e hospedeiros infectados. O tratamento com fungicidas é recomendado em lotes que apresentam mais de 5% de sementes infectadas.

 

IMPACTOS NA SOCIEDADE

 

Entre os principais fatores que limitam a obtenção de maiores rendimentos da soja estão as doenças, e dentre elas destaca-se a antracnose, que tem chamado a atenção dos pesquisadores nas últimas safras em função do aumento de sua ocorrência e das perdas proporcionadas, que podem chegar a 20%. A doença deprecia a qualidade do produto, tornando-o impróprio para o armazenamento, a venda ou o consumo.

Fonte: Embrapa

 

Culturas que atinge

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio