Lagarta elasmo na soja – como manejar corretamente?

30/07/2021
Cultura • Soja

Desde o plantio até a colheita, a cultura da soja é suscetível a sofrer ataques de diversas pragas causadoras de danos. Entre as pragas que atacam a lavoura na fase inicial, a lagarta elasmo (Elasmopalpus lignosellus) merece maior destaque.

 

A incidência da lagarta elasmo na cultura da soja tende a ser frequente em regiões de solos arenosos e em anos cuja estiagem é mais prolongada, na fase inicial de desenvolvimento da cultura.

 

Quando não controlada, essa praga pode causar muitos estragos, danificando seriamente o rendimento das lavouras afetadas, reduzindo o estande inicial. Assim, para que possamos atingir o controle satisfatório desta praga sem redução no rendimento da cultura, precisamos considerar as melhores estratégias para realizar seu manejo.

 

Início da germinação da soja: momento mais suscetível à presença da lagarta elasmo

 

A lagarta elasmo, também conhecida por broca-do-colo, é uma praga polífaga, com capacidade de atacar mais de 60 espécies de plantas, com maior destaque para as culturas da soja, algodão, feijão e milho.

 

Seus danos podem ser observados logo nos primeiros estágios de desenvolvimento da cultura, até por volta de 30 dias após a emergência, causando morte e falhas de estande de plantas na lavoura, que podem medir de 30 a 60 cm.

 

Quando o ataque ocorre logo no início do desenvolvimento das plantas, os ponteiros das plântulas atacadas tendem a rapidamente murchar, com as plantas morrendo em, no máximo, 2 a 3 dias.

 

Muitas vezes, a ocorrência dessa praga é negligenciada por alguns produtores, principalmente em casos em que sua incidência não é reportada na safra anterior. É importante ressaltar que as condições climáticas têm grande influência sobre o desenvolvimento da lagarta, ou seja, a não ocorrência de danos em uma safra, não significa que ela necessariamente estará ausente em safras futuras.

 

Sérios danos em produtividade: consequências do manejo incorreto

 

Se não controlada, a lagarta elasmo tem o potencial de causar sérios danos no estabelecimento da cultura da soja. Em sua fase de lagarta, a elasmo raspa o tecido vegetal próximo ao colo da planta, logo abaixo do nível do solo. Ao fazer isso, há a abertura de uma galeria pela qual a lagarta irá movimentar-se em direção ao interior da haste, formando galerias ascendentes.

 

Ao fazer isso, essa praga danifica o sistema condutor de água e nutrientes da planta, induzindo sintomas de murcha e secamento de folhas, resultando em rápida mortalidade. Por consequência há uma drástica redução de estande de plantas durante o estabelecimento da cultura reduzindo também a produtividade.

 

Em casos de ataques severos, o ataque desta praga poderá exigir a necessidade de uma ressemeadura.

 

Melhores estratégias de controle da lagarta elasmo na cultura da soja

 

Para que o controle da lagarta elasmo seja mais efetivo há a recomendação de fazer um bom monitoramento dessa praga na área de cultivo e adotar o controle preventivo de forma constante.

 

Assim, entre as melhores estratégias de manejo dessa praga na cultura de soja, vale ressaltar:

 

  1. Cobertura do solo

Por geralmente reterem mais umidade, áreas com sistema de semeadura direta e que fazem uso de cobertura morta costumam apresentar menores problemas com a lagarta elasmo. Já áreas sem qualquer cobertura e com baixo teor de matéria orgânica do solo tendem a sofrer mais por favorecer o desenvolvimento da praga.

 

  1. Irrigação

A elevada umidade do solo é um fator preventivo que costuma apresentar bons resultados quanto ao manejo da lagarta elasmo. Isso ocorre porque a umidade desfavorece o desenvolvimento das fases larvais, induzindo à mortalidade. Além disso, ambientes úmidos são considerados desfavoráveis para a oviposição, com essa praga optando preferencialmente por solos secos.

 

  1. Tratamento de sementes

Essa é possivelmente uma das melhores estratégias de prevenção contra os ataques da lagarta elasmo. Nessa modalidade há a adoção de inseticidas com ação sistêmica e de residual, que seja capaz de promover a proteção das sementes em torno de 15 dias após a emergência, ou seja, o período crítico em relação ao ataque da praga.

 

O produtor deve se atentar ao uso de inseticidas recomendados, nas doses corretas e volume de água adequado, para evitar problemas com fitotoxidade e danos às sementes.

 

Assim, cabe ao sojicultor se atentar ao uso de bons inseticidas, sempre nas doses corretas e volume de água adequado. Por isso, conhecer o Convence FS, da IHARA, é uma ótima estratégia!

 

Convence FS: Proteção da lavoura desde o início

 

O tratamento de sementes é uma das formas mais eficazes para manejar a lagarta elasmo em lavouras de soja. Assim, cabe ao produtor utilizar o melhor manejo com Convence FS, que oferece ampla proteção de pragas no tratamento de sementes.

 

Com o tratamento de sementes IHARA, as lavouras de soja terão a manutenção do estande inicial e a proteção do potencial produtivo na medida certa, principalmente devido à alta performance contra a lagarta elasmo.

 

A formulação do Convence FS potencializa a sinergia entre os ativos para permitir um estande perfeito. Além disso, este produto apresenta 2 modos de ação distintos, permitindo plântulas mais protegidas e menos pragas nas fases iniciais da cultura.

 

Portanto, mantenha a lagarta elasmo longe da sua cultura adotando o tratamento de sementes como manejo mais efetivo.

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio