Conheça as principais modalidades de comercialização do milho

27/09/2021
Cultura • MilhoMilho – Grãos Armazenados

Assim que o processo de produção do milho é concluído, ele tem dois destinos possíveis: o consumo dos grãos no próprio estabelecimento rural e, principalmente, a venda do produto para o mercado. Essa opção, diga-se de passagem, inclui desde a comercialização para fábricas locais de rações, indústrias químicas e empresas cerealistas, até a exportação.

 

Seja qual for o caminho percorrido, a fase de comercialização de grãos é crucial e demanda bastante cautela. Afinal, após todos os gastos envolvidos do pré-plantio à colheita, é essa etapa que determinará o lucro do produtor.

 

O grande ponto é que, quando falamos na venda de milho, existem diferentes possibilidades, o que pode acabar gerando dúvidas sobre qual modalidade escolher.

 

Para acabar de uma vez por todas com esse problema e auxiliá-lo neste processo, fizemos uma lista das principais operações de comercialização de grãos. Acompanhe, na sequência, todas as modalidades que fazem parte desse universo:

 

1. Barter

 

Essa é uma operação muito comum dentro do agronegócio brasileiro e consiste, basicamente, na troca de insumos agrícolas pela produção dos grãos.
No geral, a negociação em Barter, que hoje responde a praticamente 30% dos valores financiados neste mercado, acontece sem que exista a precificação em moeda por troca. Através da correlação da quantidade da produção necessária para a compra dos insumos, a formalização ocorre por meio da Cédula do Produtor Rural (CPR), espécie de contrato que é assinado antes mesmo do plantio. Com o CPR, o produtor se compromete a entregar parte da sua produção ao distribuidor agrícola ou à parte selecionada no ato da negociação.

 

2. Hedge

 

A estratégia de Hedge também se inicia antecipadamente e permeia ao longo de todo o cultivo, com o objetivo de que o produtor possa se proteger de possíveis oscilações no preço, afinal, o mercado de commodities está bastante sujeito às instabilidades econômicas.
Neste tipo de operação, os preços dos grãos são fixados segundo a cotação na bolsa de valores e, assim, o produtor já consegue fazer um provisionamento da sua margem de lucro.

 

3. Pré-fixação e pré-pagamento

 

Além das duas modalidades apresentadas acima, existem outras duas que integram o que chamamos de mercados futuros.
Na pré-fixação, como o próprio nome sugere, o produtor negocia a venda do milho por um preço fixo junto às empresas compradoras.
Já na operação de pré-pagamento, o comprador adianta o pagamento dos grãos e o produtor se compromete a entregá-los pessoalmente após a colheita. É importante lembrar que, neste último caso, há cobrança de juros.

 

4. Comercialização via cooperativa

 

Saindo do âmbito de mercados futuros, outra possibilidade é a comercialização intermediada por cooperativas, ou seja, organizações que recebem os grãos dos produtores, armazenando-os e fazendo o devido escoamento ao mercado.
Um dos pontos positivos desta modalidade é que, geralmente, os produtores associados ganham vantagens na compra de insumos agrícolas. Em contrapartida, há um menor controle na escolha dos compradores e fornecedores.

 

5. Comercialização via Internet

 

Com o avanço da tecnologia e da era digital, tem sido cada vez mais comum encontrar grãos sendo comercializados na internet, por meio de sites especializados.
As opções são variadas. A DEBROKER®, por exemplo, é uma plataforma totalmente dedicada para a compra e venda online de grãos. Já a CBC Agronegócios se destaca como um dos maiores sites do Brasil a comercializar commodities agrícolas.

 

6. Comercialização via tradings e corretoras

 

Neste caso, a venda do milho é intermediada por empresas especializadas, que facilitam as negociações junto a compradores nacionais e internacionais. Aliás, grande parte das comercializações para o exterior é feita desta forma.

 

 

Vale destacar, porém, que as tradings e corretoras cobram uma porcentagem dos produtores para realizar o serviço de intermediação, o que também deve ser considerado na decisão final.
Gostou deste conteúdo? Então, que tal conferir algumas dicas para garantir os melhores lucros ao final da safra? Clique aqui e acesse o e-Book “Tudo o que você precisa saber sobre armazenamento e transporte do milho”.

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio