Mosca-das-frutas

Ceratitis capitata
A mosca-das-frutas, ou mosca-do-mediterrâneo, Ceratitis capitata, é considerada uma das principais pragas de importância econômica mundial, pois ataca mais de 250 tipos de frutas, nozes e vegetais. Prefere frutas suculentas, como mamão, melão, pêssego, manga, goiaba, uva, ameixa, citros, caju e maçã, entre outras.
Baixar ficha técnica

CARACTERÍSTICAS

 

O adulto de Ceratitis capitata  mede de 4 a 5 mm de comprimento por 10 a 12 mm de envergadura. O macho é diferenciado da fêmea por apresentar na cabeça, entre os olhos, um par de apêndices filiformes, parecendo um segundo par de antenas, além de não possuir ovipositor. 

 

CICLO REPRODUTIVO

 

O ciclo de vida da mosca-das-frutas compreende as fases de ovo, larva (três ínstares), pupa e adulto, as quais ocorrem em três ambientes diferentes: os adultos vivem na vegetação, os ovos e as larvas vivem nos frutos e a pupa vive no solo.

 

DANOS À LAVOURA

 

Os danos diretos do ataque da mosca-das-frutas ocorrem quando a fêmea coloca o ovo e deixa uma ferida na superfície do fruto, criando uma porta de entrada para bactérias e fungos oportunistas, que causam necroses e podridões.

Além disso, as larvas se alimentam da polpa formando galerias, favorecendo o amadurecimento prematuro do fruto, afetando a sua aparência e tornando-o impróprio para comercialização e consumo.

 

CONTROLE E MANEJO

 

O controle químico se faz pelo uso de iscas tóxicas contendo inseticidas com atrativo alimentar ou atrativo sexual (para aniquilamento de machos) e tratamento complementar com inseticidas que apresentam ação de profundidade. 

 

IMPACTOS NA SOCIEDADE

 

Os problemas fitossanitários ocasionados pela mosca-das-frutas estão associados aos prejuízos que podem causar à produção de frutas hospedeiras, às restrições impostas pelos mercados consumidores, às implicações de medidas de controle e aos impactos econômicos, políticos, sociais e ambientais do aparecimento e disseminação dessa praga.

 

Fonte: Embrapa

 

Culturas que atinge

Newsletter

Cadastre-se aqui para receber notícias do agronegócio